Image Map A Providência: FILME: A VIAGEM DE CHIHIRO    

FILME: A VIAGEM DE CHIHIRO


Diretor: Hayao Miyazaki
Ano: 18 de julho de 2003 (Brasil)
Gênero: Fantasia, Aventura
Custo: $19,000,000
IMDb: 8,6

Xuxu beleza, galera? Meu nome é Neto Araújo e sejam bem-vindos a outro episódio de A Providência. Hoje, especialmente hoje, eu decidi falar sobre um filme que é o preferido da minha irmã, e me cativou de uma maneira incrível. Eu não estou falando de um filme asiático qualquer. Outra animação qualquer. Até porque nenhuma que eu recomendo aqui é de nível inferior. São todas de selo ouro de qualidade. Deixando de delongas, eu estou falando de nada mais nada menos do que “A Viagem de Chihiro”. Essa animação japonesa do Studio Ghibli, traz uma forte noção de família, amizade, sobrevivência, fantasia e aventura. Você fica conquistado a cada cena do filme, a cada ousadia que a pequena personagem demonstra.... Bem, vamos deixar isso para o final, ok?!

Prosseguindo, vamos apresentar alguns dos personagens mais marcantes do filme. Entre eles, como eu já falei antes, a nossa pequena protagonista, Chihiro Ogino. Ela que aparenta ser uma garotinha medrosa e boba, ao longo do filme vai demostrando uma força feminina que é inspiradora. Akio Ogino, que é o pai de Chihiro. Yûko Ogino, a mamãe da Chihiro. Haku, o garoto misterioso que ajuda Chihiro na sua aventura, ou melhor dizendo, sua viagem. Yubaba e Zeniba, que são duas irmãs gêmeas que são bruxas, porém, uma má e terrivelmente arrogante, e a outra boa e caridosa. Bô, o filho de Yubaba. Kamaji, um homem um tanto diferente. Rin, uma mulher que aparenta ser humana, mas não é. E assim por diante. Vamos ao enredo!


Nos deparamos com a primeira cena do filme onde Chihiro e seus pais estão de mudança para sua casa nova. Ela reclama dessa alteração em sua vida e das flores amassadas que a mesma carregava nas mãos dentro do carro em um caminho estranho. Até aí tudo bem. Porém, a estrada esburacada os leva até uma espécie de templo onde antes da chegada da família, avistam casas em cima de um pequeno morro, podendo serem vistas de dentro do veículo. Na frente desse templo, Akio para o carro e eles ficam a observar a entrada misteriosa do local. Sua mulher e ele ficam curiosos e decidem entrar para ver onde vai dar a saída, no entanto, Chihiro se recusa a ir com eles e diz que vai ficar no carro. Porém, ao perceber que ficaria sozinha, decidi ir com eles.

Vendo o templo que parecia estar abandonado, a família Ogino continua sua caminhada até chegar ao que parecia ser o morro que eles tinham visto, com uma linda relva verde, e no topo, as casas que avistaram anteriormente. Chegando as casas, que mais pareciam estabelecimentos de alimentação japonesa, na qual você se serve e paga depois, os pais da criança ficam com fome e decidem pegar a comida e fazer o pagamento quando o dono chegasse. A garota, apreensiva, decidi dar uma volta pelos estabelecimentos, notando que aquilo era estranho demais, porém ela encontra Haku que a avisa para sair dali agora, antes de anoitecer. Entretanto, o que Chihiro não esperava começa a acontecer. Criaturas bizarras, algumas com expressões engraçadas, outras, assustadoras, começam a ficar visíveis aos olhos da pequena exploradora. A criança, com medo, começa a correr na direção onde deixou seus pais. No entanto, para a surpresa dela, Akio e Yûko acabaram se transformando em porcos por comerem aquela comida. 

Mais assustada ainda, ela volta a encontrar Haku, um jovem aprendiz da bruxa Yubaba, que a ajuda a fugir daquela multidão de criaturas que estavam surgindo. Ela, em meio à euforia em sair dali, vê que uma parte da decida do morro tinha se tornado um grande rio. Impossibilitando a saída da garota e dos seus pais. Mas ela não estava sozinha. Haku a esconde de todos e diz que é para ela nunca esquecer o nome, caso contrário, ficaria presa naquele mundo em que ela e sua família tinham adentrado. Para que não ficasse à deriva de toda aquela multidão diferente, o jovem garoto de cabelos pretos, um pouco acima do ombro, pede para Chihiro descer uma longa escadaria e encontrar Kamaji, um velho homem de vários braços magros e longos, para que o mesmo lhe cedesse um trabalho. O senhor trabalha em uma pequena caldeira, onde esquenta várias jacuzzis, sob a ajuda de pequenos seres peludos que carregam carvão para alimentar o fogo da caldeira. A criança, que recebe um grande não de Kamaji, tenta ajudar uma dessas pequenas criaturas, e é repreendida por Kamaji por tentar roubar o trabalho do pequeno.


Depois de ver que ela queria realmente trabalhar, pois só assim poderia ficar “protegida” de Yubaba e não receber o mesmo castigo dos seus pais, Kamaji pede para Ren, uma garota que parece humana, para arrumar um trabalho para Chihiro na casa de banhos da própria Yubaba sob a falsa identificação dela ser sua neta, e pela troca de uma lagartixa assada. Estranho, né?! Depois disso é só desafios. Ela conhece o “Sem Rosto”, que é um deus que acaba tendo uma ligação com Chihiro após ela o ajudar. Conhece também Bô, o filho de Yubaba que é um bebê gigante e, a princípio, muito arrogante e mal. Descobre um lado de Haku que não é mostrado no início do filme. E com isso, vive sua grande viagem, salvando, limpando, sobrevivendo e mostrando como a bondade pode mudar o ser. Não importa se é humano ou uma criatura. Porém, o final... O final é espetacular. É lindo e você chora com essa fase do filme.

Enfim... Galera, se vocês procuram um filme de fantasia e animação que não extrapola, que tem o drama no ponto certo, uma linda aventura e que você pode ver junto a seu filho, porque não foi só produzido para crianças, então esse movie que você está procurando é “A Viagem de Chihiro”. O filme é espetacular. A todo o momento é dinâmico, você aprende com ele e se emociona facilmente. Então, não deixe de perder essa recomendação, pois tenho certeza que é satisfação na certa. Além do que, o filme ganhou um Urso de Ouro no Festival de Berlim, o que demonstra a grandiosidade dessa obra fantástica.

É isso galera. Espero que vocês tenham gostado dessa resenha desse filme que tanto amo, pois não é um padrão. E espero que vocês também gostem dele assim como eu. Vocês acabaram de ver “A Viagem de Chihiro”, e até a próxima, gente. Wild World Communications desligando. 

TRAILER:


Nenhum comentário:

Postar um comentário